(47) 3025-4832

Erro foi do Estado em não pedir garantias, diz empresário à CPI

Depoimento de integrante da CGE foi fechado à imprensa


A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada na Assembleia Legislativa de SC (Alesc) para apurar a compra dos 200 respiradores da Veigamed ouviu nesta quinta-feira (9) mais dois depoimentos. O primeiro foi do empresário Cauê Lopes Martins; e o segundo foi do integrante da Controladoria-Geral do Estado (CGE), Clóvis Renato Squio, que liderou o processo administrativo da CGE sobre a compra. 

Cauê era participante do grupo de WhatsApp criado para agilizar a compra dos respiradores. Segundo ele, chegou ao processo por intermédio do representante comercial Germano Lincoln, a fim de trazer expertise em importação. Ele atua no ramo de comércio exterior do agronegócio. 

Como nunca comprara equipamentos médicos, indicou o empresário Rafael Wekerlin para o grupo. Wekerlin é representante da empresa Brazilian Trading, de Joinville, e ficou conhecido no processo por deixar a conversa após pedido de comissão. 

"O Germano criou o grupo para tratar de questões logísticas e documentais. Entrou o senhor Samuel [Rodovalho] e trouxe a descrição dos equipamentos. Depois o Samuel pediu comissão para alguém de fora e nós saímos da negociação", disse.

As investigações mostram que, desse grupo, saiu a proposta assinada pela Brazilian Trading, que depois foi substituída pela da Veigamed. A nova proposta era uma cópia da antiga e fora apresentada pelo empresário Fábio Guasti, atualmente preso em Florianópolis. 

A comissão citada por Cauê foi um pedido de Rodovalho. No seu depoimento, Rodovalho disse que a comissão era uma exigência do advogado Cesar Augustus Braga, e que depois ficou sabendo que seria destinada a Guasti. 

"É inadmissível um governo, na altura do campeonato que a gente está, com todas as tecnologias disponíveis e possíveis não fazer a qualificação técnica dessa empresa. É inadmissível haver um negócio desses", disse Cauê, negando participação na sequência do negócio. "Faltou ao Estado pedir garantias... O erro não foi nosso, foi do Estado", complementou. 

O segundo depoimento, de Clóvis Renato Squio, foi fechado. Apenas os deputados tiveram acesso. O depoente pediu - e conseguiu - na Justiça um habeas corpus para que o conteúdo não fosse divulgado. 

Squio liderou o processo administrativo da CGE que apontou indícios de crimes de agentes políticos e servidores públicos. O pedido à Justiça tem base no sigilo das investigações da CGE. 

Próximos passos

A CPI chegou à 15ª sessão e já ouviu uma série de testemunhas e investigados. O objetivo do relator, deputado Ivan Naatz (PL), é apresentar o relatório até o final de julho. Para isso, ainda precisa das respostas do governador Carlos Moisés da Silva, cujas perguntas foram enviadas nesta quarta (8)

NO JORNAL DO IRIRIÚ DIGITAL OS ANÚNCIOS DE SUA EMPRESA ACOMPANHAM AS POSTAGENS DE NOTÍCIAS DURANTE 24 HORAS #compreprodutoseserviçosnoseubairro Novas notícias a todo instante no www.jornalbairros.com.br



Fones: (47) 3025-4832  - 99110-4832 (WhatsApp)

E-mail  imprensa@jornalbairros.com.br

www.facebook.com/jornaldoiririu

www.jornalbairros.com.br

© 2018 por Jornal Bairros. Todos Direitos Reservados - Jornal do Iririú

  • página facebook